Pages

20 fevereiro 2012

Teoria do Intervalo. Pode um cristão acreditar?

22 comentários:
 
1. No princípio criou Deus os céus e a terra.
------------
2. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. 


Gênesis 1:1-2

Será que realmente pode haver milhões de anos entre um versículo e outro?


Linhas gerais sobre a Teoria do intervalo:



Um breve relato:


Chalmers estabeleceu que "a história detalhada da Criação no primeiro capítulo do Gênesis começa no meio do segundo verso". Ele explicou ainda que Gênesis 1:1-2a ("No princípio criou Deus os céus ea terra e a terra era sem forma e vazia e havia trevas sobre a face do abismo") era uma referência à idade pré-adâmica que foi levado a um fim por uma grande catástrofe que deixou a terra "sem forma e vazia", sendo os fósseis permanece evidência fornecida para esta época pré-adâmica. Essa hipótese serviu de alojamento para a teoria George Cuvier que camadas da Terra e de fósseis eram o resultado de uma série de catástrofes, permitindo uma quantidade enorme de tempo para ser colocado entre os dois primeiros versículos da Bíblia.
Esta teoria ficou conhecida como teoria de ruína-restauração, ou mais simplesmente a teoria do intervalo.
Muitos leitores conservadores da Bíblia, familiarizados com os resultados de pesquisas geológicas, viram nessa teoria uma forma de que a Bíblia e a ciência poderiam ser postas em harmonia. 





Dentre os muitos erros que comete essa teoria, tentarei demonstrar os dois principais:


1- Mudança dos termos bíblicos para encaixar a teoria.

Tentar encaixar a Palavra em teorias, mudar palavras como era sem forma para tornou-se sem forma (Gn 1:2) ou criada para reformada (Gn 2:4). E tentar supor que exite ali um intervalo entre os dois primeiros versículos de Gênesis, uma vez que a Bíblia não dá suporte algum para essa teoria,é um risco muito grande.

Tentativa de torção do trecho bíblico para adaptar-se à Teoria Evolucionista. A Bíblia não oferece o menor suporte para a teoria do intervalo. O texto de Gênesis 1 e 2, tanto na escolha das palavras quanto na estrutura, é facilmente entendida como Deus realizando uma nova obra que nunca foi vista antes, onde ele diz o que foi feito e, sem seguida, quais foram as etapas.

"Estas são as origens dos céus e da terra, quando foram criados; 
no dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus" - Gn 2:4. 



2- Morte antes de Adão - Poderia então, a morte prevalecer num mundo perfeito sem pecado?

A bíblia nos afirma que a morte entrou no mundo ATRAVÉS O PECADO de Adão. Antes de Adão ter pecado, não havia morte ou destruição ou sofrimento. 

Romanos 5:12 Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.

Se a morte não entrou juntamente com o pecado de Adão, afetando toda a criação, como podemos dizer que somos vivificados em Cristo?

1 Coríntios 15:21-22 Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo. 

Trecho extraído do livro GÊNESIS 1&2 - Pgs 72-73 - Adauto J. B. Lourenço - Editora  Fiel


Sendo assim, consideremos que é mais plausível crer que Gênesis 1.1 seja a introdução à obra da criação que seria explicitada a seguir.

22 comentários:

  1. Sabrina,
    Obrigado por tocar no assunto.
    Não sou defensor ou adepto da teoria do intervalo. Tive contato com alguns de seus pontos ao ler a obra de G. H. Pember, chamada "As Eras Mais Primitivas da Terra" (Editora dos Clássicos).
    Pember, porém, não parece compartilhar da mesma opinião da versão clássica da teoria como você apresentou.
    Considero dois pontos:
    1º - "No princípio criou Deus" - não há uma mudança nos termos bíblicos, como sugere seu texto. Segundo ele esta expressão se refere mesmo à criação "original", não a uma recriação.
    2º - Apesar do título de sua obra, ele afirma que os dias da criação seriam dias, de fato, não longos períodos de tempo.

    Chamou minha atenção o modo cuidadoso de Pember ao abordar um tema tão espinhoso. Considerado grande erudito nas Escrituras, mesmo por quem não compartilha de suas opiniões, o escritor em todo o tempo entende estar lidando com possibilidades. Deixo como sugestão de leitura.

    Aguardo sua visita no meu blog.
    Que o Senhor abençôe e use muito seus escritos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Pember defende que os dias são literais. Ele também nada fala sobre a "queda de Satanás" ter destruído a Terra. Também é importante salientar que Evolucionistas Teístas não defendem Teoria do Intervalo. Enfim, há muita desinformação sobre o tema. Muito preconceito (no seu melhor sentido), ou seja, falar de coisas que não se sabem muito bem. O próprio comentário de refutação de alguns aqui revela falta de informação. Acho que é porque o que conhecem sobre o assunto o sabem somente por meio de artigos da internet, onde realmente só há bobagens sobre o assunto.

      Excluir
  2. se a teoria de pember no livro as eras mais primitivas da terra, for um engano, como explicar os fosseis que sao encontrados todos os dias pela ciencia? ...Adao e Eva conviveram com os dinossauros? Eu creio que a palavra de Deus e a verdade, nao tenho duvida,... tem alguem que possa dar uma explicacao melhor para a historia do fosseis dos dinossauros e outros animais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CARA... tenho uma explicação muito simples pra te dar a respeito dos animais que entraram na arca... se os grandes dinossauros não cabiam na arca, e pq so entraram os pequenos (filhotes).... foi comprovado cientificamente que os filhotes de dinossauros tinham no minimo 60 cm.... e os filhotes dos tiranossauros 30 cm... e pq eu sei que os dinoussauros entraram??? pq Deus pediu a Noé q colocasse na arca todos os animais de ambiente terrestre e aereo que nao pudessem sobreviver às condições da catástrofe... os animais aquaticos nao entraram... se Deus falou: "todos", certamente os dinossauros estavam incluidos...

      Excluir
  3. @Anônimo
    @Anônimo

    Olá! Sim! Existem teorias bem consistentes para a origem dos fósseis e sobre os dinossauros!
    Se puder dar uma olhada nos links, me diga o que acha!
    Deus abençoe!

    http://sabrinasukerthcriacionismo.blogspot.com.br/2012/01/as-fontes-do-grande-abismo.html

    http://sabrinasukerthcriacionismo.blogspot.com.br/2010/12/os-dinossauros-e-o-homem_22.html

    ResponderExcluir
  4. Muito esclarecedor esse artigo...
    Lembro que certa vez comecei a enveredar por esse caminho, até conheci muitos cristãos que defendiam essa teoria até esbarrar na falibilidade da medição de idade geológica, que é feita com isótopos Carbono 14.

    Que Deus continue abençoando esse blog.

    ResponderExcluir
  5. Realmente, Rodrigo... infelizmente mtos cristão tentam "encaixar" teorias não bíblicas por esses caminhos. Ta aí um bom tema para abordar! Métodos de datação!
    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  6. Então para você os céus e a terra foram criados no mesmo dia? Só que a Terra tava com defeito e levou mais 6 dias pra ficar pronta. Então a diferença de tempo da criação dos anjos e do homem foram de 6 dias. Alguém que coloca o nome do blog de criacionismo nunca poderia admitir que Deus age de forma orgânica, pois até para encarnar, Jesus passou pelo ventre de uma mulher.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está errado ao dizer que é Bíblicamente impossivel. Talvez você nunca leu livros de estudiosos em hebraicos. Pesquise os livros de "The Gap Is Not A Theory!: Jack W Langford" e o livro "Sem forma e vazia" - por Arthur C. Custance.

      É facíl perceber a suposta fálacia quando só se estudo em sites opositores.

      Excluir
    2. Cordialmente discordo do amado. Não creio que eu esteja errado ao dizer que é biblicamente impossível, uma vez que de fato há implicações contrárias à teoria do intervalo:
      1. Morte antes do pecado (Rm 5.12);
      2. A implicação de haverem duas criações do céu terrestre e uma reconstrução da Terra (Ap 21.1);
      3. A questão de que Deus não apenas teria reconstruído a Terra, mas também teria refeito toda a criação, incluindo o nosso sol, as demais estrelas e a nossa lua (Gn 1.1-31).
      4. A própria cratera do México, usada como base para a extinção dos dinossauros e como base para a teoria do intervalo para a destruição da Terra é "milhões de anos" mais antiga do que a própria extinção deles.
      5. Porque só os dinossauros foram destruídos e não recriados, ao passo que muitos mamíferos já existiam juntamente com os dinossauros e teriam sido mais uma vez recriados;
      Você se equivocou um pouco, amado, ao dizer que eu só estudei em sites opositores. Realmente eu nunca li esses autores que você indicou (e tentarei lê-los), porém eu estudei as bases dos dois lados e, como disse, já acreditei, defendi e preguei sobre o intervalo durante um bom tempo, a questão é que cheguei a conclusão de que há mais possibilidades de não ter ocorrido um intervalo entre os versículos 1 e 2. Há mais plausabilidade em dizer que o relato da criação ocorreu sem interrupção, ao longo de eras (ao invés de dias), ou de que a Terra realmente seja jovem, do que dizer que há alguma espécie de intervalo.
      Shalom.!

      Excluir
    3. Ps.: O comentário a cima foi excluído por razões particulares, mas minha resposta ao amado deixa claro o que eu havia escrito antes. Shalom.!

      Excluir
  8. Atualmente estou estudando a teoria do intervalo e grandes livros como "The Gap Is Not A Theory!: Jack W Langford" e o livro "Sem forma e vazia" - por Arthur C. Custance. Antes de ler esses dois livros, eu só conhecia a critica teologica de opositores como o "Michael S. Heiser que dizem que um "intervalo de tempo" entre gênesis 1:1-2 gramaticalmente impossivel. Mas, o que pude notar, é que até eles, por mais versados na língua hebraico, não deixa de partir de pressupostos. Enquanto, isso, muitos outros hebraistas afirmam que um "intervalo é lexicalmente possivel". Claro, todos os lados vão partir de certos pressupostos e nenhum detém a conclusão final.

    Todavia, eu estou abandonando certos presupostos do criacionismo da terra jovem pelo motivo que até hoje só conhecia a critica, mas nunca tinha lido o outro lado da moeda. Claro, eu ainda creio em um díluvio universal por razões ciêntificas e que maior parte os estratos e fósseis são resultados desses dilúvio. Contudo, as criticas expostas são facilmente respondidas. Isso aí não chega a ser um problema pra teoria do intervalo.

    ResponderExcluir
  9. Onde posso adquiri o livro "Sem forma e vazia" de Arthur Constace? Já pesquisei na internet mas não consigo encontrar..

    ResponderExcluir
  10. Onde posso adquiri o livro "Sem forma e vazia" de Arthur Constace? Já pesquisei na internet mas não consigo encontrar..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Renato

      Não acredito que tenha esse título em português. Segue o link onde você pode acessar o livro em inglês gratuitamente.
      http://www.custance.org/Library/WFANDV/

      Excluir
    2. Olá, Sabrina! Parabéns pelo blog!
      Quanto ao tópico, gostaria de saber se você leu o Tomo I do livro “As eras mais primitivas da Terra” de G.H. Pember. Se não, recomendo uma leitura sem pré-conceitos.
      Com o devido respeito, os pontos que você suscitou têm premissas incorretas ou não infirmam a “tese do intervalo”, segundo você nominou. Farei breves considerações a respeito.
      Li o citado livro há alguns anos, mas me recordo bem de algumas questões centrais:
      1) Gn 1:2 emprega o fraseado “estava sem forma e vazia” (“sem forma” pode ser traduzida por “desolada, arruinada”). Primeiro, enfatizo que a construção das orações no hebraico não significa que o verso 2 é uma síntese do versículo 1, mas algo adicional (a conjunção “porém”, na versão Almeida Revista e Atualizada”, também confere esse sentido). Um segundo ponto a considerar é o seguinte: Deus criou a terra neste estado? Penso que não. Isto contraria, dentre outras passagens, Is 45: 8 e Jó 38:4-7.
      2) As mesmas palavras hebraicas traduzidas como “sem forma e vazia” em Gn 1:2 são utilizadas 2 outras vezes na Bíblia - Jr 4:23 e Is 34:11. Em ambas as ocasiões, resta clara que tal estado é decorrência do juízo de Deus (“queda da Edom” e “devastação de Judá e Jerusalém”), o que nos permite inferir que tal teria ocorrido neste interstício.
      3) O verbo traduzido como “ser” ou “estar” (“era” ou “estava” sem forma e vazia) pode assumir a forma de “ser feito” ou “tornar-se”. É o caso, por exemplo, de Gn 19:26, quando diz que a mulher de Ló “se converteu” numa estátua de sal.
      Logo, esta hipótese não força uma alteração do texto original para acomodar uma interpretação. Pelo contrário, dentre as possíveis palavras, ela escolhe a tradução que melhor se amolda a uma visão harmônica da Bíblia.
      Quanto ao segundo ponto suscitado, penso que considerações sobre a morte que “entrou no mundo pelo pecado de Adão” não tem uma correlação direta e não infirma a tese. Afinal, o mundo a que você se refere é o mundo pós-Adão; enquanto que a “tese do intervalo” se volta justamente para a existência de um modo pré-adâmico.
      Para além disso, afirmar que a morte entrou na humanidade e foi transmitida a partir do pecado de Adão (Rm 5:12) não significa dizer que a morte não existia antes dele. Afinal, a Bíblia diz que o diabo é que tem o poder da morte (Hb 2:14). Teria ele adquirido este status apenas após o pecado de Adão?
      Outra: não se discute que o julgamento de Lúcifer ocorreu antes de Adão. As eventuais criaturas pré-adâmicas não poderiam ter tido o mesmo destino?
      Indubitavelmente, quando cremos, somos vivificados em Cristo e Nele recebemos a vida eterna. Isso significa que não mais passamos pela primeira morte? (Vide Hb 9:27; Ap 20:14).
      Destas breves e incompletas considerações, parece-me que a hipótese levantada pelo irmão G.H. Pember é bastante plausível e a que me foi mais convincente.
      Reforço a sugestão de leitura! Fraterno abraço, Sabrina!

      Excluir
  11. Então qual é a explicação para a existência dos dinossauros?

    ResponderExcluir
  12. No próprio livro do Genesis cap 1 vers 9 , Deus fala apareça a porção seca. Tem uma diferença entre o haja e o apareça , se Deus fala apareça é porque já existia algo. Eu acredito que houve um tempo entre os dois versículo

    ResponderExcluir
  13. Li em uma entrevista de John MacArthur onde ele diz que Charles Haddom Spurgeon defendia a teoria do intervalo. Alguém sabe se isto procede, ou a fonte?

    ResponderExcluir
  14. A Bíblia diz em Eclasiastes:O que foi tornará a ser, o que foi feito se fará novamente; não há nada novo debaixo do sol. Haverá algo de que se possa dizer: “Veja! Isto é novo!”? Não! Já existiu há muito tempo, bem antes da nossa época. Ninguém se lembra dos que viveram na antiguidade, e aqueles que ainda virão tampouco serão lembrados pelos que vierem depois deles"
    Ec 1:9‭-‬11 NVI
    http://bible.com/129/ecc.1.9-11.NVI

    ResponderExcluir